O que é Haloterapia 
 
É uma terapia complementar 100% natural (haloterapia) que utiliza o sal como único e principal elemento. 
 
A Haloterapia consiste na saturação do ambiente de uma sala ou cabine com partículas de sal ionizado (0.5-15 mg/m3), o que permite à pessoa estar exposta e respirar essas mesmas partículas de sal. É um dos métodos mais eficazes para prevenir, complementar tratamentos e reabilitar doenças respiratórias removendo obstruções, tornando mais fácil a respiração. É também indicada para fumantes e desportistas. 
 
Como funciona a Haloterapia
 
As salas de haloterapia reproduzem um ambiente natural que se assemelha a uma caverna de sal, onde, paredes, teto e chão são totalmente cobertos com várias camadas de sal.
 
A sala é um espaço seco, estéril e hermético, cuja variação da temperatura oscila entre 18° e 24° com umidade de 45% a 60%, e possui um aparelho micronizador que dispersa no ar micro partículas de sal, que virão por sua vez inaladas pelos pacientes acomodados confortavelmente.
 
A sala possui música ambiente relaxante e luzes de cromoterapia, o que permite aos pacientes a possibilidade de ler um livro ou simplesmente repousar durante o tempo da sessão, com duração de 45 minutos. Ao término o aparelho se desliga automaticamente acendendo as luzes dentro da sala.
 
A História da Haloterapia
 
A popularidade da terapia com sal apareceu no século XIX (1843), quando foi observado que os trabalhadores das minas de sal polonesas tinham menos problemas respiratórios que o restante da população. Na década de 1990, alguns cientistas tentaram reproduzir as mesmas condições em grutas artificiais, que resultaram posteriormente em muitos espaços clínicos para asmáticos nos seguintes países: Alemanha, Suíça, Hungria, Bulgária e na extinta Iugoslávia. Esta progressão constante do tratamento levou a testes científicos com resultados bastante positivos.
 
Foi neste momento que se estabeleceu o primeiro Centro Haloterápico na Polônia, na cidade de Velicko, para complementar os outros tratamentos e dar alívio a várias doenças do aparelho respiratório, especialmente a asma. O potencial do sal foi observado igualmente no final da segunda guerra mundial, nas minas de sal, local onde as pessoas habitualmente se abrigavam dos bombardeios. 
 
A Haloterapia tem sido reconhecida como uma terapia complementar e 100% natural ao alívio de sintomas e problemas respiratórios tais como: asma, bronquite, tosse de fumante, fibrose  cística, enfisema, amigdalite, otites, faringite, tosse, rinite, sinusite, gripes, constipações e assim como repetidas infecções virais. A Haloterapia é indicada também no alívio de doenças dermatológicas tais como a dermatose, eczema e psoríase. Em nível de saúde psicológica com o stress,  ansiedade  e  depressão. A Haloterapia tem efeitos benéficos por estar em um ambiente acolhedor, seguro e relaxante. 
 
Haloterapia e a Ciência
A investigação científica sobre a eficácia do sal começou em 1968, sendo oficialmente aprovada no hospital de doenças alérgicas na cidade de Solotvino, Ucrânia ocidental, onde o tratamento e a pesquisa foram realizados.
 
Na antiga União Soviética, juntaram-se vários investigadores para desenvolver terapias que evitassem os custos e os efeitos secundários das terapias à base de medicamentos químicos (convencionais), chegando a ser elaborado um plano público de saúde pelo então governo da época.
 
Em consequência dos resultados das pesquisas, foi estabelecido o novo método muito eficaz de terapia complementar para a asma que se baseia numa sala especial, construída com sal, onde o mesmo é disperso continuamente no ar para que os pacientes o respirem.
 
Vários estudos clínicos demonstraram que as partículas de sal podem ajudar a reduzir a inflamação respiratória; absorção de edema (inchaço) causado pelo fluído nos tecidos e pode ajudar a desbloquear a área dos brônquios. O sal, por ser um anticéptico e anti-inflamatório natural, limpa as vias respiratórias e remove obstruções tornando mais fácil a respiração.  O     processo terapêutico é bom para o sistema nervoso, devido à saturação do ambiente com íons negativos.
 
Um estudo finlandês descobriu que os pulmões dos pacientes ficavam menos propensos às típicas reações alérgicas. Chegando à conclusão que uma sala de sal é uma medicina complementar muito útil e eficaz.
 
O especialista em alergias, Dr. Robert Boyle, do Imperial College, afirma que tem utilizado a Haloterapia como terapia complementar em pacientes com fibrose cística com bons resultados. Segundo ele: “A concentração salina é usada em crianças com fibrose cística de muco fino. Quando inalada, ajuda a liberar as secreções mais facilmente”.
 
O uso correto da Haloterapia pode de 70% a 80% dos casos, conduzir à regressão significativa da doença.  A doença deixa de se manifestar continuamente, podendo inclusive o paciente deixar progressivamente de ter necessidade de usar diariamente medicamentos alopáticos (cortisona, esteroides, etc.), que produzem efeitos secundários e nocivos para o organismo humano. Deste modo melhora extraordinariamente a qualidade de vida, porém deve sempre estar sob supervisão do médico.
 
A Haloterapia promove efeitos de alívio e bem-estar sentidos pelos pacientes já nas primeiras sessões da terapia. Este efeito se verifica em pelo menos 65% dos pacientes.
 
Os tratamentos com medicamentos, alopáticos, além de mais caros, produzem efeitos secundários nocivos ao organismo humano (desenvolvendo resistência), deixando gradualmente o medicamento de fazer efeito, levando à substituição por outro.  O que não acontece com a Haloterapia, que ajudará no melhor desempenho do medicamento receitado pelos médicos.
N° da autorização para o funcionamento de clinicas de haloterapia na Zona Euro Diretiva Europeia CE93/42EEC (equipamento biomédico complementar). Reconhecido  Health Canada e CSA
Sistema Sanitário da Inglaterra desde de 1 de abril de 2014